Domingo, 18 de Maio de 2008

Aqui há talento.

Ainda bem que Shinji Mikami teve coragem suficiente para abandonar a Capcom, numa altura em que os senhores mais snob da companhia, afiavam lâminas contra a mente por trás de Resident Evil.

A não ter acontecido esse acto depravado, de alguem extremamente confiante em si próprio, Mikami nunca teria fundado a Platinum Games, recém-nascida que recentemente uniu forças com a Sega para a publicação de duas obras muito prometedoras.

Falo de MadWorld, com Shigenori Nishikawa á cabeça, e de Bayonetta, liderado por Hideki Kamiya (responsável por Viewtiful joe e Devil May Cry).

 

Mad World, projectado para a Wii, será um título de acção que tirará partido do Wiimote para rasgar carne e pele em dois. Tudo isto condimentado com um estilo muito Frank Miller meets No More Heroes.

Bayonetta, a ser descoberto na Playstation 3 e Xbox 360, vale apenas pelos nomes associados ao projecto, mas com a premissa de ser um Bullet Witch com bom gosto e personalidade, as expectativas sobem considerávelmente. Confesso a esperança inocente de ver estes dois jogos aparecerem como rosas no meio da gravilha, muito homogénea, em que a industria vem assentando.

 

Para abrir o apetite ao leitor, os primeiros teasers das obras:

 

MadWorld

 

Bayonetta

 

Que delícia...

mood:
a jogar: re: code veronica x
artigo por Daniel Costa às 13:35
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
Terça-feira, 13 de Maio de 2008

“Mãe, vou ser um assassino.”

 

 

Se a corrente geração de consolas tem algum mérito social é, indiscutivelmente, o de expandir o fenómeno dos videojogos a um público alheio até aqui. Contudo, o imperialismo norte-americano quase omnipresente em todas as formas de media, exporta para o mundo jogos e conceitos autobiográficos que nós, europeus, aceitamos como simples meios de entretenimento ou repelimos definitivamente.

O último exemplo foi o lançamento circense da maior aposta da Rockstar e consequentemente da indústria, Grand Theft Auto IV.

Enquanto o mundo discute ferozmente os valores impressos no código genético da obra, milhões de jogadores nascidos na geração MTV elaboram argumentos para garantir aos pais a santa pureza em cada bala disparada por Niko e companhia.

 

Para mim, GTA IV é um petit nom para polémica propositada, portanto prefiro encontrar razões que justifiquem o crescente número de ilegais em Liberty City.

  

mood:
a jogar: nada de momento...
artigo por Daniel Costa às 23:40
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito

.pesquisar

 

.posts recentes

. Aqui há talento.

. “Mãe, vou ser um assassin...

.o autor

Apaixonado crónico pelo mundo dos videojogos, indústria incluída, Daniel Costa assume a adição precoce, sem complexos. Adepto da escrita livre como meio de expressão primário, o jogador passou por várias publicações, como a ene3 e DSGaming (UK). Actualmente, é gestor de produto júnior na Nintendo/Concentra, e analista e colunista na Xbox Portugal e N-Portugal, em part-time. O autor do blogue pessoal Now Loading deseja boa estadia ao leitor. Também tem o hábito de assinar biografias na terceira pessoa.

.Agosto 2008

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
29
31

.arquivos

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

.links

.tags

. xbox 360(14)

. nintendo(8)

. ps3(8)

. acção(7)

. capcom(7)

. ps2(7)

. sega(7)

. ainda não jogou(6)

. e3(6)

. análise(5)

. trailer(5)

. wii(5)

. anos 90(4)

. artigo(4)

. japão(4)

. microsoft(4)

. playstation(4)

. retro(4)

. shooter(4)

. beat'em'up(3)

. todas as tags

.subscrever feeds