Sábado, 28 de Junho de 2008

Roma em tons de vermelho sangue.

 

Independentemente do tema de fundo, qualquer título de acção ou aventura germinado no Japão, tem sempre uma vertente de fantasia exuberante. Shadow of Rome não é excepção. O guião é muito cuidadoso, com uma interpretação livre da história do império romano, e evita feitiços policromáticos a cada segundo, mas não nega a identidade fantástica gritante, principalmente para o fim da epopeia. E ainda bem… mas é irrelevante. O que interessa no título do primeiro trimestre de 2005 é a acção sangrenta, brutal e incrivelmente aditiva.

Leitor atento ás minhas recomendações pontuais, confie na palavra no grande louco pelos beat’em’up clássicos: Shadow of Rome é um conceito saudável, algo lunático e impeditivo para jogadores com terror por padrões de sangue.

A pérola escondida no catálogo megalómano da Playstation 2, apresenta a história de Agrippa – um centurião de méritos firmados transformado á força em gladiador – que se vê envolvido na conspiração em redor da morte do mítico Imperador Júlio César. Pelo meio, contará com a preciosa ajuda de Octavianus, sobrinho do todo-poderoso. Ironicamente, este último materializa o pior da balança qualitativa de Shadow of Rome. A Capcom, companhia responsável pela obra, obriga o jogador a secções furtivas – muito inspiradas pelo genial Metal Gear Solid – completamente desinteressantes e capazes de arruinar a experiência para os menos pacientes. Mas, insisto, não é importante. A glória está em desmembrar cabalmente os adversários, recorrendo a combinações recursivas. O gladiador contrariado será digno de atacar com toda e qualquer arma presente no ecrã. Seja um braço alheio caído em combate, ou uma lança sem fim para perfurar um tigre bem agressivo. Vale tudo. Grande parte das arenas de combate, baseadas nos círculos de areia da antiguidade, tornam-se um antro de hostilidade impressionante á vista. Imagine que, a certa altura, o candidato a melhor gladiador terá de enfrentar odes de elefantes e dezenas humanos, tão ferozes como desafiantes. É uma maravilha do génio quase masoquista dos senhores da Capcom.

Sem mais palavras, Shadow of Rome leva o meu selo de recomendação bem restrito.

 

 

Vale os Euros, por inteiro.

 

mood: gladiador!
a jogar: street fighter II e ninja gaiden II
artigo por Daniel Costa às 22:46
link do post | comentar | favorito
7 comentários:
De Durval a 29 de Junho de 2008 às 21:30
Grande jogo!!
Já o joguei à bastante tempo mas lembro me de ter adorado jogá-lo, situações de acção empolgantes, e apesar de o jogo na maior parte do tempo ser à base da mesma coisa(combate) arranjava sempre maneira de nos dar situações variadas.
Ah lembro - me de ter rogado pragas aos bosses finais porque na altura tive mesmo muitas muitas dificuldades :D
De luxxx a 30 de Junho de 2008 às 15:41
Gostei bastante de Shadow of Rome, especialmente no que toca aos momentos dentro das arenas. Foi uma surpresa vinda do nada, que passou completamente despercebida. É pena.
De PT Lyon a 2 de Julho de 2008 às 02:59
Boas.

Parabens pelo blog. Adicionei-o aos links do PTOG, hope you dont mind...
(porque haverias de importar? xD)

Cumps
De Bruno de Figueiredo a 5 de Julho de 2008 às 13:37
Mais uma vez a força que o cinema de Ridley Scott tem sobre os videojogos. CAPCOM foi, infelizmente, prejudicada pela sua coragem em produtos como este.

'Father to a murdered son,
Husband to a murderd wife,
and I'll have my vengeance... in this life or the next!'

(hehe)
De Daniel Costa a 5 de Julho de 2008 às 13:54
- 'Why doesn't the hero reveal himself
and tell us all your real name?

You do have a name?'

- 'My name is Gladiator.'

Ahah! No enredo, considero Shadow of Rome um tributo bem conseguido à obra cinematográfica. Nada mais que isso.
De Bruno de Figueiredo a 5 de Julho de 2008 às 14:33
Sim, mas também tem que ver com o despertar do interesse público pelos gladiadores da sociedade romana antiga. Num instante, os canais encheram-se de documentários e voltou-se a pensar no velho Ben-Hur. Isso é positivo e interessante verificar, que por vezes a influência do cinema nos videojogos escapa às relações mais directas e visíveis.

É certo que Shadow of Rome possui um sistema e identidade própria que o tornam um jogo autónomo e relevante por mérito próprio.

'On my signal... unleash hell!' hehehe
De Duque a 6 de Julho de 2008 às 23:31
Realmente este jogo é digno de esta tua "secção" de artigos "Ainda não jogou?".

Shadow of Rome não foi um sucesso de vendas mas foi um sucesso daquilo que se pode considerar um excelente e divertido jogo para se jogar numa grande tarde/noite de Inverno onde ouvimos a chuva e somos aquecidos por uma lareira. Adorei cada segundo de Shadow of Rome que joguei (não o acabei) mas tenho intenções de o acabar, tal como o Okami. Excelente pérola para a PS2.

Comentar post

.pesquisar

 

.posts recentes

. Mudança de casa...

. Em stand-by...

. Primeira impressão: Proje...

. Tinta e voz contra a opre...

. O fado luso pela 'voz' da...

. A irreverência e os pente...

. Crónicas de um desafio an...

. E3 2008: Xbox 360 para to...

.o autor

Apaixonado crónico pelo mundo dos videojogos, indústria incluída, Daniel Costa assume a adição precoce, sem complexos. Adepto da escrita livre como meio de expressão primário, o jogador passou por várias publicações, como a ene3 e DSGaming (UK). Actualmente, é gestor de produto júnior na Nintendo/Concentra, e analista e colunista na Xbox Portugal e N-Portugal, em part-time. O autor do blogue pessoal Now Loading deseja boa estadia ao leitor. Também tem o hábito de assinar biografias na terceira pessoa.

.Agosto 2008

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
29
31

.arquivos

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

.links

.tags

. xbox 360(14)

. nintendo(8)

. ps3(8)

. acção(7)

. capcom(7)

. ps2(7)

. sega(7)

. ainda não jogou(6)

. e3(6)

. análise(5)

. trailer(5)

. wii(5)

. anos 90(4)

. artigo(4)

. japão(4)

. microsoft(4)

. playstation(4)

. retro(4)

. shooter(4)

. beat'em'up(3)

. todas as tags

.subscrever feeds